O Fim dos Salões no Atual Modelo de Negócio – UMA OPORTUNIDADE ÚNICA

O FIM DOS SALÕES NO ATUAL MODELO DE NEGÓCIO – UMA OPORTUNIDADE ÚNICA

Se você acha que o titulo é uma provocação, está certo.
Se acha exagerado, nem tanto,
Se acha que vão acabar os salões, aí está redondamente enganado, acho exatamente o contrário, nos negócios de beleza estamos diante de uma OPORTUNIDADE única.

Minhas razões

Vou te apresentar minha razões e Você pode até discordar, mas tenho a certeza que no final do artigo você verá o correto embasamento de cada uma delas.

Além da grande janela de OPORTUNIDADE que está se abrindo para os novos modelos de salão e gestão.

Dinheiro não falta, o que falta são novas propostas de negócio (salões)

A entrada de grandes investidores como o GP investimentos, respondi a revista Veja sobre essa operação, a TOYOTA TSUHO em que fiquei  honrado em avaliar o mercado e sugerir esta mesma Oportunidade e por fim o Sr Apolinário da rede Polishop que está investindo numa nova rede de salões.

Novos desafios, GRANDES OPORTUNIDADES – Vou te mostrar os novos salões mais RENTÁVEIS e escaláveis.

Nós mudamos nossos hábitos e nossos clientes também.

Para ilustrar vamos fazer uma avaliação no mundo que vivemos e no que eu e você já mudamos de hábitos e nossos clientes também.

Mudaram os hábitos e transformaram negócios

A tecnologia é cada vez mais intensa e parte do nosso dia a dia, mudando nossos usos e costumes. Cada vez mais temos produtos e serviços a um click na nossas mãos (celular).

Para você não dizer que esses exemplos estão longe de nosso dia a dia e do nosso negócio, em nosso artigo “a guerra das maquininhas uma oportunidade” falamos da vantagem de levar a agência no bolso e a concorrência barateou nossos recebíveis, ufa!!.

Porquê não ampliar a venda de serviços para o mundo digital ?

E no artigo de tendencias 2020/2025 descrevemos os novos equipamentos, produtos e serviços que mudaram ou mudarão seus serviços, criando novas formas de atrair, gerar fluxo de clientes e aumentar a rentabilidade do salão de beleza.

O UBER dos salões – o SINGU

A maioria dos condomínios residenciais nas principais capitais brasileiras, estão vindo com espaços de beleza, pequenos salões prontos para uso com toda a infraestrutura necessária para os profissionais atenderem a domicílio os  moradores do condomínio.

 

 

E na esteira dos APP temos o Singu, um app semelhante ao Uber, que disponibiliza profissionais para atendimento em domicílio, delivery de serviços de beleza.

Mais uma concorrência para os salões pré estabelecidos, ainda tímida, mas já com números expressivos, mais de 500 mil atendimentos e 3.000 profissionais cadastrados, e crescendo.

A resposta necessariamente terá que passar pelo mundo digital também com novas facilidades de consumo de produtos e serviços, muito mais além do que o simples agendamento por internet.

Nos próximos 20 anos, veremos mais mudanças que nos últimos 200

Venho de 3 gerações neste mercado e em 2 continentes. Conheço grandes profissionais que cresceram comigo e seus pais que me viram crescer e há sempre uma pergunta no ar:

Porquê os salões antigamente rendiam mais? E porquê hoje está tão difícil ?

E não precisa ir muito longe, vai me dizer que até 2013, o mercado não ia bem ? Ia bem sim.

Mesmo com todos os contra-tempos de ter uma empresa, ganhava-se um bom dinheiro, as clientes gastavam mais facilmente e lembrando, Eu e Você também.

É a partir do 2º semestre de 2014, que começamos a nos deparar com a crise, diferente de entrar em crise.

“não importa a Copa, você não pode faturar mais em menos dias de trabalho, matemática simples”

A interrupção na geração de caixa causado pelo “efeito COPA do MUNDO”, praticamente sincronizado em quase todo o setor produtivo, apenas expôs a crise do nosso setor que era camuflada pelo consumo e pelas altas margens que temos. (Falo aqui de margem bruta, não de lucro.), mas que já vinha se deteriorando há algumas décadas.

Eu sempre defendi um modelo menos dependente da mão de obra (profissionais) e mais escalável (maior movimento).

Porém dá mais trabalho e nem todos querem isso, é mais fácil contratar um profissional com clientela, nada contra, faturamento sempre é bem vindo, mas se os clientes forem pelo salão também, o negócio é mais sustentável,

Daí o titulo “O FIM DOS SALÕES no ATUAL MODELO DE NEGÓCIO – OPORTUNIDADE ÚNICA”

Histórico da deterioração de nosso faturamento

1 – Várias trocas de moeda
2 – Custo de recebimento aumentou nos últimos anos
3 – Novos contratos de parceria e nova lei
4 – Aumento da concorrência

1 – Várias trocas de moeda

Uma característica em comum das diversas moedas que antecederam ao REAL (R$), era uma alta inflação chegando a mais de 1.000% ao ano.

Traduzindo para os salões.

A comissão de 50% calculada no dia 30 do mês era paga depois de render uns bons juros e correção, o que obviamente, dependendo da época, se transformava em 16% a 36%, efetivamente o que REALMENTE se pagava.

2 – Custo de recebimento aumentou nos últimos anos

O aumento considerável dos meios de pagamento com cartões, fez o custo de operação aumentar.
Devo lembrar que, especialmente no início, as taxas eram bem salgadas, chegavam a 5% na média, sem contar o aluguel da maquininha , antecipações etc.

Hoje quase 90% do faturamento de alguns salões é em cartões e isso não aconteceu da noite para o dia, tipo numa segunda feira chuvosa comecei a receber 90% dos recebimentos em cartões, foi uma crescente e de repente tínhamos um vácuo no fluxo de caixa e um “comissionamento” a mais para a máquina de cartão.
Ainda bem que a concorrência está nos aliviando essa conta acabando com as antecipações custosas.

3 – Novos contratos de parceria e nova lei

A  LEI No 13.352, DE 27 DE OUTUBRO DE 2016 LEI SALÃO PARCEIRO.

Ela veio organizar um tipo de contrato que nós já fazíamos para nossos clientes desde os anos 90 e que sempre funcionou com a vantagem que não precisava tutelar os impostos dos parceiros.

Agora temos uma lei específica e…

Quando você pede alguma coisa para qualquer governo, este sempre quer saber qual o ganho dele, e aí mais um custo: o gestor passa a ser responsável pelos impostos do seu parceiro, devo lembrar que mesmo descontando do parceiro, é mais um controle logo mais um custo, nem que seja de tempo, e tem o custo do split (divisão dos recebimentos), se você aderir á pratica.

4 – Existem aproximadamente 550 mil salões formais no Brasil podendo chegar a mais de 1 MILHÃO com os informais.

Apesar da informalidade ser um meio de concorrência que muitos reclamam, devemos lembrar que muitos dos negócios formais aproveitavam os recebimentos em dinheiro e cheque para se “esquecer” de lançar alguns recebimentos.

Com o aumento dos meios de pagamento de “plástico” (cartões) temos também a dita Operação Cartão Vermelho da Receita, que cruza os valores recebidos em cartão com os declarados, que no nosso ramo tem contornos de novela mexicana.

Na nossa forma de remuneração aos profissionais parceiros, nós dividimos o faturamento com eles mas o o recebimento é por um caixa único, que dava margem para bi tributação.

Caso caia na malha fina o dono do salão deverá demonstrar de forma clara e concreta para a receita o que realmente acontece e provar que o parceiro recolheu o imposto da sua parte do faturamento.

Daí vem o advento das empresas de split, estes já dividem os valores e dão mais segurança tributária, porém trazem mais custo.

Ainda assim, a empresa de split é mais barata que uma liminar ou um advogado.

RESUMINDO

A inflação mascarava a falta de eficiência, que já contornamos em parte com os descontos e transparência na composição das comissões e dos preços.

A evolução dos meios de pagamento aumentou custos e prazos de recebimento, este último estamos recuperando, mas, fique atento ás exigências, por parte das operadoras, para ter a “benesse” de receber seu próprio dinheiro no dia seguinte.

A nova lei trouxe segurança jurídica no campo trabalhista, porém trouxe também mais responsabilidade pelos impostos, mais controles geram mais custos.

Nosso próximo desafio é não sermos a “Blockbuster” da vez

Isso tem ligação com a jornada do cliente e a mudança de hábitos e valores que tem sido constante em nossas vidas, em breve não se “comprará” o serviço só na recepção do salão e sim na internet, na barbearia, na loja de sapatos e até mesmo por assinatura. Obs: todas essas práticas já existem

Novos desafios, GRANDES OPORTUNIDADES

Vou te mostrar os novos salões mais RENTÁVEIS e ESCALÁVEIS.

O Brasil pode ser protagonista SIM

Não existem razões técnicas, para o Brasil 4º maior mercado do mundo de beleza, não ter uma rede de salões de beleza com padrões globais em tamanho e qualidade, estou falando de uma rede de + de 200 unidades e exportando moda e técnica para mundo.   

Continua no proximo post …

Faça comentários, tire dúvidas
assine nossa newsletter para receber em primeira mão os artigos
e sugira pautas para discutirmos aqui,

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top
error: Conteúdo protegido