Você sabe motivar sua equipe?

Uma das maiores queixas sobre gestão de equipes está relacionada a falta de engajamento.

Entre os pontos mais destacados estão:

– O senso coletivo que parece não existir. Muitas vezes o que se vê instalado é um clima de competição parecido com os dos reality shows, com fofocas, panelinhas e brigas;

– Há também aqueles que enxergam com desconfiança ou hostilidade qualquer proposta trazida, especialmente aquelas que parecem boas demais para serem verdade, como premiações por cumprimento de metas. “Qual é a pegadinha aqui?” é o que dizem ou que fica subentendido pela postura que adotam;

–  Ou ainda pior, uma equipe desmotivada, indiferente não só com o negócio, mas também em prestar um bom atendimento, em evoluir, apático em obter mais conhecimento de sua profissão.

Diante deste cenário, é comum encontrar donos de salão sobrecarregados, sem autoridade e desmotivados por sentirem-se reféns de quem deveriam ser seus colaboradores e parceiros.

Se você se identifica com estes pontos, convido a refletir sobre as seguintes questões:

“Alice no pais das maravilhas” Lewis Carroll

 

– Como anda a sua motivação?

 

– Qual foi o motivo que o(a) levou a abrir o seu negócio?

 

– O que torna o seu negócio especial ?

 

 

Se encontrar dificuldade em responder a qualquer uma dessas questões, é bem provável que esteja desmotivado ou até mesmo desconectado do próprio negócio. E o que se vê da equipe é apenas um reflexo de como também se sente.

Reconhecer que talvez não seja apenas a equipe o problema pode ser bem doloroso e desconfortável, mas por outro lado, é fundamental para se sair da postura passiva de que o “mal vem de fora” e de que não há nada que possa ser feito

Toda empresa precisa de um líder

Ao abrir um negócio, consciente ou não, assume-se a responsabilidade de liderar.

Bons líderes são altamente motivados, pois seguem um propósito e acreditam que mais do que um produto ou um serviço, estão oferecendo uma oportunidade que fará diferença na vida das pessoas.

Outra característica marcante é reconhecerem e atraírem colaboradores que acreditem nesse mesmo ideal. Não se tratam de pessoas perfeitas, mas de pessoas que acreditam nos valores da empresa, “vestem a camisa” e exercem com responsabilidade sua função.

Embora pareça uma visão romanceada para os negócios, basta ligar a televisão e assistir aos comercias de grandes empresas que o que veremos ali é muito mais do que a venda de um produto. Vende-se o abstrato, a emoção: um conceito, um estilo de vida, um sonho a perseguir.

“Just do it”

Um exemplo é a Nike, uma das maiores empresas de tênis e artigos esportivos do mundo. O slogan “Just do It” (algo como “Apenas Faça”) possibilita vários tipos de interpretação, mas que trazem intimidade do consumidor com a marca e remetem atitude,  ir em frente, de sucesso mesmo em meio as adversidades.

Se esse caso parece distante, porque não pensar em pessoas que iniciaram seus negócios com poucos recursos, mas que movidos pelo que acreditavam obtiveram realização?

Abrir um negócio é (ou deveria ser) fruto de uma escolha. E como toda escolha, implica em responsabilidade.

Por isso, além de ter claro as respostas lançadas no início deste texto sobre o que te fez investir no negócio, estude a viabilidade do seu projeto, o mercado, as tendências, quem é o seu cliente, o que e quem traz resultados e foque sempre na solução.

Conte também com ajuda especializada: faça cursos e busque o auxílio de profissionais qualificados sempre que sentir necessário.

É muito comum que os desafios do negócio coloquem a motivação a prova e quanto mais preparo e planejamento, melhor será o manejo das adversidades.

Toda equipe precisa de um líder

Equipes não nascem prontas. É trabalho do líder:

Identificar – Busque parceiros que se alinhem ao seus valores;

Envolver- desde o momento da entrevista apresente a missão, visão e valores da empresa. Igualmente importante é ser claro sobre comissões ou salários, dias e horário de funcionamento, marcas que o salão trabalha e esclarecer todo tipo de dúvida que o possível colaborador poderá vir a ter;

Formar – Contribuir – Comemorar

Formar – apresente as normas e procedimentos do salão. Estas nada mais são do que regras de convivência, tal como existem em condomínios e hotéis. Ainda sim, se tiver dificuldades, busque ajuda de um advogado que possa avaliar se não há subordinação em alguma regra criada, especialmente no caso de profissionais contratados pela Lei Salão Parceiro.

Incentive que os profissionais se aperfeiçoem, busquem cursos, cresçam na carreira.

Contribuir – ofereça feedbacks e escute também críticas e sugestões. Estarem sentados ao mesmo lado da mesa faz toda a diferença para que todos possam atingir seus objetivos e do sentido de parceria com as equipes.

Comemorar – reconhecimento é, sem sombra de dúvidas, um grande motivador. Por isso comemore sempre as conquistas com sua equipe!

Michelly Vilela Barbosa

View posts by Michelly Vilela Barbosa
Psicóloga e Diretora de Relações Humanas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top
error: Conteúdo protegido